10 agosto 2010

Ensinamento sobre o Medo

Pergunta: Eu sou ousado na superfície, mas no fundo eu tenho medos que não compreendo. Eu tenho medo até mesmo de buscar a verdade. Eu tenho medo de iniciar alguma coisa ou de desistir de qualquer coisa.

Resposta: O seu centro é feito de medo. Aquilo que está profundamente enraizado em você é o medo. Medo de perder, de falhar ou qualquer outra preocupação. O objeto do medo pode variar. O Homem de Neanderthal teve suas próprias razões para sentir medo. O homem das cavernas que caçava tinha suas razões para sentir medo. E também o homem medieval, e o homem moderno que tem medo do mercado de ações e de que sua esposa o deixe. (Clique para continuar...) Click for english version...

Você tem todos os tipos de medo. Basicamente o medo continua através da estória porque uma vez que você exista, o medo também existe. Porque não deveria haver um "você", você é apenas uma ilusão, e a cada momento há uma luta pela sobrevivência dessa ilusão.

A menos que as formações mentais ocorram todo o tempo, você simplesmente deixaria de existir. Se o cérebro parar de criar essas formações mentais, você deixará de existir. E a natureza está tentando fazer isso. Deus está tentando fazer com que isso aconteça.

Mas você está resistindo a isso porque você tem medo de desaparecer. Você está assustado, você acha que desaparecer é algo terrível. Mas o que você não percebe é que quando você desaparece, é a maior alegria que você poderia jamais imaginar.

Você poderia perguntar àqueles que desapareceram. Eu tenho perto de mim tantas pessoas que não existem, que desapareceram. Elas vivem em alegria 24 horas do dia. Nada nunca as afeta. Porque enquanto você existir você vai sofrer. O Ser não sofre. Mas você é igual a sofrimento. Se você existe, existe sofrimento.

Existir é sofrer, porque aquilo que você realmente é não tem nada a ver com existir. Existir é uma limitação, um estreitamento, não é a verdade. Uma vez que você desaparece, o que existe é amor incondicional, simplesmente amor sem nenhum motivo.

O amor que vocês conhecem tem um motivo. Esse amor de que falo não tem motivo, simplesmente é. Você vê uma formiga e ama essa formiga. Você vê um ser humano e ama esse ser humano. Isso simplesmente acontece, sem qualquer motivo.

E sobre essa alegria? A alegria de vocês tem limites, essa alegria não tem. E tudo isso acontece porque você desapareceu. Se você existe, então o amor que você conhece tem um motivo, e isso não é amor. A alegria da forma como você conhece tem limites, e alegria que tem limite não é de forma alguma alegria.

Você tem que pular para dentro disso mesmo sem saber nadar. Você tem que dar o mergulho. Quando você dá o salto, isso é tudo. 
(Sri Bhagavan, Video da World Oneness TV "Teaching on Fear")


Question: I am bold on the surface but deep within I have fears that I don't understand. I am even of afraid of seeking truth. I am afraid to begin anything or to give up anything.

Answer: The core of your being is fear. What is deep inside yourself is just fear, fear of losing this, fear of losing that, failing here or some other worry there.

The object of fear could be changing. Neanderthal man had own reasons to be frightened of. The ancient man who was hunting had his own reasons to be afraid of, so also the medieval man, and modern man has also his fear of a stock market crash or his wife running away from him.

So you have all kinds of fears, but basically fear has continued throughout human history, because as long as you exist there would be fear. Because you are not supposed to exist, you are only an illusion and every moment there is a struggle to survive.

Unless mental formations are going on all the time, you would just cease to be there. If the brain stops creating these mental formations, you would be gone and nature is trying to make that happen. God is trying to make that happen.


But you are resisting it because you are afraid to be gone. You are scared, you think it's terrible to be gone. But what you do not realize is when you are gone, it is the greatest joy you could ever imagine.

Those have left, you could ask them. I have around me so many people who don't exist, who are gone. They live in joy 24 hours of the day. Nothing ever affects them. Because as long as you exist you will suffer, because you do not suffer. Youis equal to suffering. If you are there, there is suffering.

To exist is to suffer, because you have no business to exist. It's a limitation. It's a narrowing down. It's not the truth. When you are gone what is there is causeless love. Simply love for no reason.

The love which you know has a reason. This love has no reason, it is just there. You see a dog, you love it. You see an ant, you love it. You see a human being, you love him. It's just there for no reason.

What about this joy? You joys have got limits, this joy has no limit. All this happens because you are not there. If you are there, the love which you know has a reason which is not love.

The joy which you know has a limit and the joy which has limits is no joy at all. You have to jump into it without knowing how to swim. You have to take a plunge. When you take a plunge, it's all over.

(Sri Bhagavan, World Onenss TV Video "Teaching on Fear")

Nenhum comentário: