03 janeiro 2016

~ O Darshan da Bola Dourada na Jornada com Sri AmmaBhagavan... / The Darshan of the Golden Ball in the Journey with Sri AmmaBhagavan… ~

[Port / Eng]

Queridos, muitos me perguntaram e demorei a compartilhar porque a experiência foi extraordinariamente rica.
Fui acolhida por Deus. Deus me levou para a 1ª fila e me fez cantar para Ele. Cantei 70 Moola mantras e fui contratada por Deus – para Seva! Trabalhei para Deus sem parar. Fui Mãe Divina e cuidei dos Filhos de Deus - acolhi suas frustrações e seu amor de igual maneira, como Deus faria. Escalei o Everest até ficar diante de Deus. Vi Jesus, Maitreya, Sanat Kumara e Dattatreya. Ouvi Deus. Deus me fez me tornar o Eu-Família. Deus pegou minhas mãos e as colocou sobre a Bola Dourada. E o Eu-Família foi abençoado, amado e curado por Deus...
Espero ter conseguido passar um pouco do que vivemos lá. Uma experiência de puro Amor.
Desfrutem...
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Dear ones, many friends have asked me and it took a while for me to share - because the experience was extraordinarily rich.
I was accepted by God. God led me to the 1st row and made me sing to Him. I sang 70 Moola mantras and was hired by God - to do Seva! I worked for God incessantly. I became Divine Mother and took care of God’s Children - I accepted their frustrations and their love in the same way as God would. I climbed the Everest to stand before God. I saw Jesus, Maitreya, Sanat Kumara and Dattatreya. I heard God. God made me become the I-Family. God took my hands and placed them on the Golden Ball. And the I-Family was blessed, loved and healed by God ...
I hope I could be able to express a little bit of what we experienced there. An experience of pure love.
Enjoy ...
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
[Port / Eng version below]

*O preparo e o começo dos Milagres
*Amor Divino tomando conta
*A Seva Divina
*Se Deus não descansa, eu também não
*A Bola Dourada é uma Bola de Amor.
*E quando achei que nada mais havia para ser experienciando... eu vi e ouvi Deus!
*O Eu-Família recebeu a Deeksha da Bola Dourada
*Perdão - O Milagre final

* O preparo e o começo dos Milagres

Um dos dias mais bonitos, abençoados e marcantes da minha vida. O Darshan da Bola Dourada foi explicado como sendo o momento culminante de toda a Jornada com Sri AmmaBhagavan, os 21 dias em que percorremos uma amorosa, alegre e transformadora Jornada de descoberta do Divino.

Éramos 800 participantes nessa Jornada. Em direção ao Divino. Em direção a nos tornamos Sidha Yogis. Em direção a nos deixarmos abrir e permear pelas diferentes Qualidades Divinas, das mais preenchedoras às mais poderosas – até o ponto em que Divino e Homem não serão mais separados. E então o Divino poderá agir poderosamente através do Homem, produzindo todos os tipos de milagres. Essa é a nossa Jornada maior, de 21 anos. Nas orientações, ouvimos que seria uma Deeksha tocando a Bola Dourada, para a iniciação do processo de nos tornarmos Sidha Yogis.

A Bola Dourada no Templo recebeu a consciência do Fenômeno Kalki, através de uma ‘tecnologia espiritual’ chamada Avahanam. E isso se deu no dia da Consagração do Oneness Temple, quando Sri AmmaBhagavan – Avatares do Fenômeno Kalki – tocaram juntos a Bola Dourada, com a Sankalpa de transferir e impregná-la com a Consciência do Fenômeno.

Terminadas as explicações, todos se apressaram para as filas. Eu estava em estado de Graça. Não conseguia me mover. Segundos antes eu tinha recebido um milagre – uma explícita demonstração de amor, algo muito querido para o meu coração tinha acontecido. E a alegria e a gratidão eram tamanhas, que eu não conseguia me mexer. Esse foi meu 1º milagre.

* Amor Divino tomando conta

Atrasada, fui para as filas. E recebi então veio meu 2º milagre: fui colocada numa das filas em 1º lugar, e fui assim, a 1ª mulher a subir para o Darshan, liderando outras 49 mulheres. Caminhávamos em fila cantando o Moola Mantra, Namastê acima da cabeça para o Divino. E a sensação de dar a volta em torno do 2º andar do Templo foi como andar nas nuvens. Eu seguia de olhos fechados a maior parte do tempo. E a voz que saía de mim no Moola Mantra era uma das vozes mais doces que eu tinha ouvido.

Eu estava tomada pelo Amor Divino... E mal poderia imaginar o que nos aguardava dentro do Último Andar do Templo!

Entramos, sentamos, e começamos a meditar. Tempos depois, as cortinas se abriram, e nosso querido guia ofereceu o Aarathi, louvando o Fenômeno Divino na Bola Dourada. O impacto da cena e da energia da Presença Divina no Altar – agora completamente ativado – era impressionante. Sentamos novamente e comecei a cantar o Moola mantra lentamente. Quando completei exatos 70 Moola mantras, uma das nossas guias em tom de urgência disse: Narayani, vem para seva!

* A Seva Divina

Eu me ergui com uma prontidão espantosa. Mas aquela era a oportunidade que eu mais desejava. Esse foi meu 3º milagre. Meu coração saía pela boca, de satisfação por poder ajudar perante tamanha Presença do Divino. Eu tinha sido chamada para ajudar naquele momento grandioso! Os passos percorridos atrás da guia, as palavras trocadas com ela, a função que ela me deu, tudo era alegria! Eu recebi tanta confirmação e tanto amor nesses poucos minutos.

E ali fiquei, eu e Maria, a tradutora Russa. Felizes da vida. Lembrei da contemplação antes da Deeksha: Amar a si mesmo; aceitar a si mesmo; perdoar a si mesmo. E a partir dali a Seva assumiu o controle.

A princípio, era para checar os rostos e garantir que ninguém fosse duas vezes. A missão era impossível – como é que vou garantir isso, sendo que somos 800 pessoas? Deus, por favor me ajude. Eu guardo rostos, mas não 800, e muito menos de 300 chineses! : ) Aos poucos a seva foi tomando forma.

Tínhamos que enfileirar as pessoas, lembra-las de abrir os olhos e seguir – porque eles ficavam paradinhos em estado de êxtase; checar anéis, pulseiras, relógios (não se pode tocar na Bola Dourada com metais nas mãos), e fazer todos usarem os xales de oração.

* Se Deus não descansa, eu também não

Eu cuidei de praticamente TODOS os participantes. Lidei com a irritação de muitos que não compreendiam que o xale era necessário – para uma maior sacralidade e, portanto, para um maior poder da Deeksha. Procurei pessoas de diferentes idiomas para traduzir e ajudar os participantes a compreender. Ajudei a encontrar xales. Ajudei-os a tirar os metais, guardei anéis, ajudei-os a andar.

Cuidei de muitos como verdadeiros bebês. E aos poucos fui me tornando a Mãe Divina, Sri Amma foi tomando conta. A cada minuto, maior a amorosidade ao embrulhar cada “menina” nos seus xales, e ajudando a dar o laço corretamente no xale de cada “menino”...

Eu não sentei, nem por 1minuto nas 4h30 que duraram o Darshan, eu queria estar de pé. Se Deus não descansar, eu não descanso também. Tomei aquela Seva como o maior presente e a tarefa mais importante da minha vida. Deus me chamou para trabalhar para Ele em pessoa!

Finalmente chegou a nossa vez. Eu e Maria preparamos uma à outra. Uma vez na fila, me tornei eu mesma o que vi em todas as meninas. O processo e a energia potencializaram enormemente. Cada passo precisava de um esforço cálculo especiais. O corpo desacelerou.

* A Bola Dourada é uma Bola de Amor.

É Amor Divino.

A cada centímetro mais perto da Bola Dourada, era como se eu adentrasse uma camada de Amor mais intensa. As marcas das conchas, ou as ondas em torno da pedra que cai em um lago... assim eram as camadas ou ondas em torno da Bola Dourada. Cada passo, uma camada a mais, mais Amor, mais intensidade.

E não era que as camadas ‘emanassem’ da Bola Dourada. As camadas – que ultrapassavam em muitas vezes o tamanho físico da Bola Dourada – eram estáticas. Elas eram a Bola Dourada. E pulsavam no seu próprio lugar; cada uma pulsava em uma frequência. E quanto mais perto da Bola Dourada, mais forte era essa frequência de...

AMOR!

Era por isso que os passos eram lentos. O Amor vibrava tanto, que o corpo físico tinha dificuldade de seguir. No corpo, lentidão. Na mente, silêncio. Na rampa, o 1º passo eu não consegui – a pequena inclinação me parecia a mais íngreme encosta do Everest. E a Gravidade estava diferente, era como se o eixo da Terra tivesse se movimentado... para dentro da Bola Dourada!

* E quando achei que nada mais havia para ser experienciando... eu vi e ouvi Deus!

Eu vi Jesus. Vi Maitreya. Vi Sanat Kumara e vi Dattatreya. Não é correto dizer ‘’vi”, porque não foi com os olhos do corpo. A Presença Deles se mostrou. E veio um choro de reconhecimento do Amor...

Em então Ele disse: Veja a sua mãe...

E eu não precisei pensar, eu vi imediatamente a minha mãe. E vi a vida dela toda, eu senti a minha mãe, e como eu chorei...

E então Ele disse: Veja o seu pai.

E eu fui feita VER o meu pai, e sentir e viver a vida inteira dele. E como eu chorei...

E então Ele disse: veja as suas irmãs. E o mesmo aconteceu. E as lágrimas não paravam e eu mal conseguia manter o corpo ereto.

Era muita dor, gratidão, tristeza, amor, medo, alegria, era muita coisa junto.

E Ele explicou: Eles vêm junto com você, traga-os mais perto. E assim foi feito. E esse Eu-Família se colocou diante da Bola Dourada chorando sem parar.

* O Eu-Família recebeu a Deeksha da Bola Dourada

E então a mesma linda guia que horas antes me chamou para a Seva, ela pegou em minhas mãos e me fez tocar a Bola Dourada. E ali eu chorei todas as lágrimas da existência desse Eu-Família, e ali fomos todos abençoados. Foram os segundos mais amorosos e profundos da minha vida. Longos segundos tocando e experienciando o Amor mais puro, poderoso, profundo e nutridor.

Um Amor inesquecível. Um Amor que não queremos deixar para trás. Por isso caminhei de costas. Não queria ir. Não podia virar as costas. Mas era preciso. Esse foi o 4º milagre e o mais maravilhoso de todos.

* Perdão - O Milagre final

Terminado o Darshan, veio o 5º milagre: um abraço e perdão de uma amiga, a quem eu havia tratado muito mal na noite anterior. Na noite anterior, triste, pedi a Deus para me curar e curar minha família; para ajudar a amiga a me perdoar; e para me dar a chance de liberar o Karma negativo de ter dado sofrimento a outra pessoa. Deus me deu Infinitamente mais. Ali eu recebi o perdão, ali eu pude perdoar e amar a mim mesma.

Gratidão a Deus
Gratidão a AmmaBhagavan
Gratidão a todos os seres de Luz que trabalham intensamente por nossa cura coletiva
Gratidão a todos os monges da Oneness, nossos guias tão preciosos e amados
Gratidão à maravilhosa Oneness University, nossa Escola de Viver e de Amar
Gratidão ao Oneness Temple, nossa casa de força & morada do Fenômeno Kalki.
Narayani

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

[Eng]

*The preparation and the beginning of Miracles
*Divine love taking care
*The Divine Seva
*If God does not take rest, me neither
*The Golden Ball is a Ball of Love
*And when I thought there was nothing more to be experienced ... I saw and heard God!
*The I-Family received the Deeksha from the Golden Ball
*Forgiveness - The Final Miracle

* The preparation and the beginning of Miracles

One of the most beautiful, blessed and memorable days of my life. The Darshan of the Golden Ball was explained as the culminating moment of the whole Journey with Sri AmmaBhagavan, the 21 days when we traveled through a loving, joyful and transforming Journey into the Discovery of the Divine.

There were 800 participants in the Journey. Towards the Divine. Towards becoming Sidha Yogis. Towards letting ourselves to be open and permeated by the various Divine Qualities, from the most fulfilling to the most powerful ones - to the point where Divine and man will no longer be separated. And then the Divine may act powerfully through men, producing all kinds of miracles. This is our largest Journey, 21 years. In the guidelines, we heard it would be a Deeksha touching the Golden Ball for the initiation of the process of becoming Sidha Yogis.


The Golden Ball in the Temple received the consciousness of the Phenomenon Kalki, through a 'spiritual technology' called Avahanam. And this happened on the day of consecration of the Oneness Temple, when Sri AmmaBhagavan - Avatars of the Phenomenon Kalki – touched together the Golden Ball, holding the Sankalpa of transferring and impregnating it with the Consciousness of the Phenomenon.


Completed the explanations, all rushed to the queues. I was in state of grace. I could not move. Seconds before, I had received a miracle - an explicit confirmation of something very dear to my heart have just happened. And the joy and gratitude were such, that I could not move. This was my 1st miracle.


* Divine love taking care


Later, I went to the queues. And then I received my 2nd miracle – I was placed as the 1st in the queues, and was thus, the 1st woman to rise to the Darshan, leading 49 other women. We walked in single line singing the Moola Mantra, Namaste above the head to the Divine. And the feeling of walking around the 2nd floor of the temple was like walking on clouds. I followed with eyes closed most of the time. And the voice that came out of me in the Moola Mantra was one of the sweetest voices I had heard.


I was taken by the Divine Love ... and could hardly imagine what awaited us inside the Temple!


We walked in, sat down, and began to meditate. Later, the curtains opened, and our dear guide offered Aarathi, praising the Divine Phenomenon in the Golden Ball. The impact of the scene and the energy of the Divine Presence in the Altar - now fully activated - was impressive. We sat down again and I started singing the Moola mantra slowly. When I exactly completed 70 Moola mantras, one of our guides in urgent tone said: Narayani, come Seva!


* The Divine Seva


I raised with astonishing promptness. But that was the opportunity I wanted most. This was my 3rd miracle. My heart almost coming out from my chest, out of satisfaction to be able to help before such Presence of the Divine. I had been called to help in that great moment! The steps I took behind the guide, the words exchanged with her, the function that she gave me, it was all joy! I received confirmation and so much love in those few minutes.


And there I was, me and Maria, the Russian translator. Happy happy. I reminded of the contemplation to be done before the Deeksha: Love yourself; accept yourself; forgive yourself. And from there, the Seva took control.


At first, it was to check the faces and ensure that no one would go twice. The mission was impossible - how can I guarantee this, amongst 800 people? God, please help me. I remember faces, but not 800, let alone 300 Chinese! :) Slowly the Seva was taking shape.


We had to queue people, remind them to open their eyes and move - because they were ecstatic literally; check rings, bracelets, watches (one cannot touch the Golden Ball with metals in the hands), and to make all of them to use the prayer shawls.


* If God does not take rest, me neither


I took care of literally ALL participants. I dealt with the irritation of many who did not understand that the shawl was necessary - for greater sacredness and therefore to a higher power of Deeksha. I looked for people of different languages ​​to translate and help participants understand. I helped finding shawls. I helped them to take out the metals, I kept rings, helped them to walk.


I took care of many, like real babies. And gradually I was becoming the Divine Mother, Sri Amma was taking hold. Every minute, the greater the loveliness to wrap each "girl" in their shawls, and helping to tie the shawls correctly in each "boy" ...


I did not sit down, even for 1 minute, during the 4:30 
that lasted the Darshan, I wanted to stand. If God does not take rest, I do not rest too. I took that Seva as the greatest gift and the most important task of my life. God called me to work for him in person!

Finally, it was our turn. Maria and I prepared each other. Once in the queue, I became for myself what I saw in all the girls. The process and energy greatly potentiated. Each step needed a special effort and calculation. The body slowed down.


* The Golden Ball is a Ball of Love


It is Divine Love.


Every centimeter closer to the Golden Ball, it was as if I enter therein a layer of intense love. The marks of shells or waves around a stone falling into a lake ... so were the layers or waves around the Golden Ball. Every step, a layer more, more love, more intensity.


And it was not that the layers 'emanated' from the Golden Ball. The layers - which exceeded many times the physical size of the Golden Ball - were static. They were the Golden Ball itself. And pulsated in their own place; each pulsed at a frequency. And the closer the Golden Ball, the stronger this frequency ...


LOVE!


That was why steps were slow. Love vibrated so much that the physical body had difficulty in proceeding. In the body, slowness. In mind, silence. On the ramp, the 1st step I could not stand - a small inclination seemed the steeper slopes of Everest. And the gravity was different, it was as if the earth's axis had been moving ... into the Golden Ball!


* And when I thought there was nothing more to be experienced ... I saw and heard God!


I saw Jesus. I saw Maitreya. I saw Sanat Kumara and saw Dattatreya. It is not correct to say '' saw ', because it was not with the eyes of the body. The Presence of them was made seen. And there came a cry of recognition of Love ...


And then He said: See your mother...


And I did not think, I immediately saw my mother. And I saw all her life, I felt my mother, and how I cried ...


And then He said: See your dad.


And I was made SEE my father, and feel and live his entire life. And as I cried ...


And then He said: See your sisters. And so it happened. And the tears would not stop and I could barely keep the body upright.


It was a lot of pain, gratitude, sadness, love, fear, joy, it was a lot together.


And He said: They come along with you, bring them closer. And it was done. And this I-Family stood before the Golden Ball crying nonstop.


* The I-Family received the Deeksha from the Golden Ball


And then the same beautiful guide that hours before had called me for Seva, she took my hands and made me touch the Golden Ball. And there I cried all the tears of the existence of the I-Family, and there were all blessed. Those were the most loving and profound seconds of my life. Long seconds touching and experiencing the purest love, powerful, deep and nourishing love.


An unforgettable love. A love that one does not want to leave behind. So I walked back. I did not want to go. I could not turn away. But it was necessary. This was the 4th miracle and the most wonderful of all.


* Forgiveness - The Final Miracle


After the Darshan, came the 5th miracle: a hug and forgiveness of a friend, whom I had very badly treated the night before. On that night, sad, I asked God to heal me and heal my family; to help this friend to forgive me; and to give me a chance to be liberated from the negative Karma that I got by giving suffering to another person. God gave me infinitely more. There I received forgiveness, there I was able to forgive and love myself.


Thank you God

Thank you AmmaBhagavan
Thank you all the light beings working intensely for our collective healing
Thank you all the Oneness guides, so precious and loving
Thank you wonderful Oneness University, our Life and Love School
Thank you Oneness Temple, our Power House & the Kalki Phenomenon Home
Narayani

3 comentários:

Anônimo disse...

Sublime tua experiência, é lindo seu relato e vibrante a energia que sente se ao lê lo.
Parabéns!
Que seu caminho mantenha se iluminado e repleto de amor!

Ana Paula dos Santos disse...

Lindo Minhoca! Gratidão por colocar em
Palavras o q não se pode explicar!
Que esses momentos se tornem constantes na sua vida ❤️

Narayani e Setu disse...

Gratidão queridos...