28 abril 2018

Conquistas e Derrotas, Dominação e Resistência, Homem Branco e Nativos, Fortes e Fracos - a estória que sempre se repete está chegando ao fim em nosso Planeta

Ennio Morricone, que grandioso coração é esse.. Gratidão por despertar o meu coração e por ensinar, através da sua obra, que toca fundo no coração, muitos dos valores que carrego hoje em mim - e dos quais, por nada nesse mundo, eu abro mão... https://www.youtube.com/watch?v=dyg1mQ87ILg
Eu não deveria, mas porque eu não nasci para dormir de noite, cresci assistindo filmes que, pela violência, não eram para a minha idade.. Antes dos 13 anos, eu já tinha assistido a mais filmes do que muito adulto ao meu redor. Eu não entendia muito, mas as músicas me contavam muito mais do que poderia compreender pelas palavras - conquistas, violência, disputas, poder, ouro, invasão, resistência, heróis, bandidos, justiça, injustiças, condenação, punição, libertação... Tanto me foi explicado através dessas músicas...

E sobre o filme A Missão, tão maravilhoso... Eu já era mais adulta e ficou marcado para sempre em mim. [Continua...]


Nessa semana uma amiga perguntou: Narayani, você está bem com a sua posição? Eu assumi uma posição sobre algo muito importante em minha vida, e decidi esperar e pagar o preço da espera, para que se prove se estou certa ou errada... Eu respondi com outra pergunta: você acha mesmo que algum nativo latino-americano ou norte-americano pôde um dia estar realmente feliz, quando os homens brancos vieram e decretaram que seria diferente? Que, a partir daquele momento, as suas terras e os pontos de poder e luz seriam locais de algo diferente... Era o progresso, era o melhor para eles - supostos seres inferiores, seres pagãos... 


Os nativos que se 'adaptaram' não puderam ficar felizes por completo - há um preço a ser pago ao se deixar no esquecimento tradições ancestrais e milenares. Os nativos que se deixaram docilmente dominar, também não poderiam negar que algo ficou esquecido e abafado. E os nativos que não se adaptaram e foram mortos ou fugiram, se isolaram, não poderiam também estar felizes. Mas mantiveram sua conexão e integridade com aquilo que acreditaram. Talvez tenham sido os menos infelizes, se assim se pode definir.

Tomar uma decisão baseada no que se acredita no fundo do coração não é, necessariamente, uma decisão feliz. Muitas vezes, é uma decisão de isolamento. Um grito no vazio. E, quando muitos preferem tapar os ouvidos e não ouvir, vira um grito abafado pelo ruído do suposto 'progresso' que passa por cima com sua velocidade devoradora de tradições, vidas e estórias. E, porque as pessoas têm medo de serem deixadas, de ficarem para 'trás', elas preferem se adaptar da melhor maneira e o mais rápido possível - mesmo que o coração grite 'por favor, não faça isso'.

Em tempos em que ninguém conhece, e muito menos escuta, a voz do próprio coração, ele grita sozinho. E a voz que se ouve mais alto é a voz da mente - que toma a decisão dita 'ponderada'. A decisão pelo entendimento mental e objetivo, o entendimento 'chapado' numa realidade tridimensional. Sem jamais poder considerar a realidade multifacetada da vida - pois isso é algo que só o coração compreende, sem se conseguir pôr em palavras, muito menos num contexto do intelecto.

Muitas vezes, as decisões de 'grito no vazio' são não só necessárias, elas são as únicas possíveis. E nelas, o coração se fortalece ainda mais. E, mesmo que o mundo inteiro aponte e diga: você deveria ir por essa direção ou estará só, ainda assim, algo em você prefere apostar e ir sozinho para a direção que o coração está clamando que você se dirija imediatamente...

Eu não sei o fim da estória, ainda não cheguei lá. Eu só sei que conheço muito bem os nativos latino e norte-americanos, muito mais do que imaginava. Muito mais do que pretendia. Muito mais do que esperava. E eles, são maravilhosos. Eles são tão bonitos. Eles são verdadeiramente bonitos!

Recentemente estive no Deserto do Atacama e vi, com consternação, como as igrejas foram 'plantadas' exatamente sobre os pontos de poder dos nativos. Os santos santuários foram erguidos exatamente sobre os locais onde se acendiam as fogueiras ritualísticas daqueles povos... como uma forma de obrigá-los a 'se converter'... E, porque eram pontos de poder, eles eram devotos aos locais de poder. Eles sabiam serem pontos de força mística, e foram obrigados a se converter pela devoção a esses locais...

Aquilo me doeu o coração. E a guia explicava, com um certo maravilhamento na sua voz, sobre o incrível 'sincretismo' religioso que se vê ali. É interessante sim, mas eu pude sentir a dor dos nativos. E eu conheço essa dor.

E eu vivo isso bem em meu coração. Foi criado algo diferente, muito diferente, e colocado exatamente 'em cima' do ponto de poder mais bonito que eu pude reconhecer em minha vida. Sobre algo que eu sempre amei e sempre vou amar, foi construído algo diferente, com a promessa do 'progresso' - sempre o progresso... E eu nunca poderei chamar isso de sincretismo - porque não me perguntaram se eu gostaria, ou mesmo se eu poderia, entrelaçar o amor que sempre senti de forma tão completa. Não me perguntaram como seria para mim, ter algo mais ali. Algo em que eu não acredito, algo que não me fez falta alguma, algo que eu não pedi, algo que eu não sinto que preciso para ser feliz.

O meu ponto de poder, eu migrei para o meu coração. Deve ter sido isso que os nativos latinos e norte americanos que se mantiveram fieis aos seus corações fizeram. A conexão está e sempre esteve no coração. Todos os Mestres disseram e dizem. Todos os verdadeiros Santos, Gurus, Mestres, Professores, Avatares, todos sempre falaram isso. Posso me sentar no mesmo local onde estou, e entrar em contato com isso onde quer que eu esteja. Mas fica a pergunta... até quando essa estória vai se repetir? E para quê, a troco de quê, repetir esse capítulo, esse disco arranhado de nossa estória?

O mesmo drama se repete em várias partes do planeta há milhares de anos... Estou na América Latina e vivi isso em minha vida pessoal também. Até quando? E por quê? E sobretudo... para quê?

Era Dourada... por favor traga logo a sua Luz... E faça dourar tudo isso. Eleve tudo isso, de volta na Luz Suprema, e para o Bem Maior. Pois já estamos todos, sem exceção todos, muito cansados e desgastados com essa repetição incessante de separação e dualidade.

Que Deus nos abençoe a todos.
Com carinho, Amor e Gratidão por todas as experiências e aprendizados dessa vida...
Narayani ~*

Nenhum comentário: