Conexão Eu Superior

[See english Version below]
Conexão com o Divino ou Eu Superior

1. Moolamantra
2. Passos para a Oração
3. Relacionamento com o Divino
4 Entrega

1. O Moolamantra

A Oneness University tem nos ensinado diferentes versões de Moolamantras. Todas elas invocando o Divino / Consciência Superior através da expressão de qualidades e aspectos desse Divino / Consciência Superior. Você pode cantar a versão com a qual se sentir mais identificado.


A versão mais recente (Om Sreem Sarveshwaraya) tem uma pequena variação da versão intermediária - pequenos ajustes nas sílabas para invocar um poder maior. A versão intermediária (Om Sri Sarveshwaraya) não é mais válida, tendo sido substituída pela versão mais recente. E a  primeira versão (Om Sat-chit-Ananda) é a mais conhecida e melodiosa de todas.

As versões válidas para invocar a presença Divina são a primeira e a mais recente. Você pode cantar ambas, ou uma ou outra, conforme queira. Ambas têm o mesmo poder e chama / invocam a presença Divina com a mesma intensidade.

As três versões seguem abaixo.

Versão mais recente:


49 Repetições (17min): https://youtu.be/RuDrq_IhPJU


"Om Sreem Sarveshwaraya Namaha
Om Sreem Param Jyotishe Namaha
Om Sreem Param Premaya
Om Sreem Param Karuniaya Namaha
Om Sreem Param Pavitraya

Saudações ao Tudo o que Há
Saudações à Luz Suprema
Saudações ao Amor Supremo
Saudações à Compaixão Suprema
Saudações à Pureza Suprema

As últimas frases podem também ser entendidas como:
Saudações ao Supremamente Compassivo
Saudações ao Supremamente Sagrado


Versão Intermediária:


Como Cantar: https://www.youtube.com/watch?v=auB0ATtpxxU


"Om Sri Sarveshwaraya Namaha
Om Sri Param Jyotiye Namaha
Om Sri Jyothi Roopaya Namaha"

Saudações ao Tudo o que Há
Saudações à Luz Suprema
Saudações ao Orbe Dourado

Primeira Versão:


“Om Sat Chit Ananda Parabrahma 
Purushotama Paramatma
Sri Bhagavati Sametha
Sri Bhagavate Namaha”

Explicação

Quando cantamos o Moola Mantra evocamos o poder da Presença Divina. Mesmo sem saber o seu significado, o canto já carrega poder por si só. Mas quando sabemos o significado e cantamos o Moola Mantra com esse entendimento no nosso coração, a energia que flui através do canto é muito mais poderosa.

Cantar o Moola Mantra é como chamar por um nome. Estamos chamando Deus, ou a Presença Divina, o Eu Superior ou o nome como você prefira chamar. Evocamos a energia Divina através do Moola Mantra. E atendendo ao nosso chamado, ela se manifesta ao nosso redor e em nós.

O Divino pode se manifestar em qualquer lugar, a qualquer momento. Então o Moola Mantra pode ser cantado ou falado, em voz alta ou interiormente, em qualquer lugar ou situação, e o efeito dele será sempre como um chamado que é atendido.

É importante também saber que quando invocamos a energia Divina com entrega, humildade, respeito e com grande vontade, a Presença se manifesta ainda mais forte. E é possível ensinarmos esse mantra para outras pessoas, se quisermos ajudá-las e se elas entenderem que isso poderá ser benéfico.

O significado do Moola Mantra

O Moola Mantra é um chamado pelo Divino. E como o Divino está em todas as partes, em tudo o que é manifesto e também naquilo que é não-manifestado, como o Divino pode estar dentro de nós e fora de nós, e também pode estar encarnado em um corpo humano (através da manifestação de um Avatar) , o Moola Mantra chama pelo Divino em todas essas possibilidades de manifestação. Ao cantar o mantra, estamos chamando o Divino em cada aspecto possível de sua manifestação e não-manifestação.

OM é o princípio universal, o som primordial. É o som do Universo. OM é uma sílaba sagrada que representa BRAHMAN, que é o Absoluto Impessoal, onipotente, onipresente e fonte de toda a existência manifesta. Como BRAHMAN é, em si, é incompreensível, o símbolo OM se tornou necessário para nos ajudar a entender o incognoscível. OM representa então tanto o aspecto não-manifesto quanto o aspecto manifesto de Deus, e é por isso que é também chamado de Pravana, significando que ele penetra na vida e corre através de nosso Prana ou respiração.

SAT-CHIT-ANANDA, são as três qualidades do Universo, ou de Deus. SAT significa Existência; CHIT significa Consciência; ANANDA significa Bem-Aventurança. Deus (ou o Universo) é Existência, Consciência e Bem-Aventurança.

PARABRAHMA é aquilo que está além de BRAHMA. BRAHMA é o Ser ou Espírito Universal. PARABRAHMA é a causa de todas as causas, a essência de tudo no cosmos, aquilo que contém e permeia o Universo. É a verdade absoluta, sujeito e objeto, a suprema realidade.

PURUSHOTAMA é o humano mais elevado. Purush é humano. Utam é elevado. O Eu Supremo pode tomar forma em uma existência humana, e se manifestar como um Avatar.

PARAMATMA é a manifestação do Eu Supremo que está situado no centro de cada indivíduo (ou Atman). Os Upanishads comparam Atman e Paramatman a dois pássaros pousados como amigos no galho de uma árvore (o corpo). O Atman come seus frutos (o Karma), e os Paramatman apenas observa o Atman como testemunha das ações de seu amigo.

SRI BHAGAVATI é a forma como os indianos se referem às divindades femininas. SAMETA significa em união. SRI BHAGAVATE é a forma como os indianos se referem às divindades masculinas

NAMAHA significa que eu me prostro e me curvo, busco a sua e orientação, reverencio e me entrego em gratidão.

Recapitulando, ao cantar o Moola Mantra estamos literalmente chamando o Divino aos quarto ventos, e em tudo que está além dos quarto ventos, em todas as partes e não-partes do Cosmos. Estamos percorrendo cada recanto do Universo manifestado e do não-manifestado. Estamos evocando o Divino em nós, e em suas encarnações como Avatares.

Ao cantar o Moola Mantra, evocamos o Divino através do OM ou BRAHMA, que é o aspecto manifestado e também o aspecto não-manifestado do Divino. Evocamos o Divino através das suas 3 características fundamentais, que são SAT-CHIT-ANANDA – Existência, Consciência e Bem-Aventurança. Evocamos o Divino que está além dos princípios manifestado e não-manifestado Dele, que é PARABRAHMA – a causa de todas as causas, a essência de tudo, aquilo que contém e permeia o cosmos. Evocamos o Divino que está encarnado na figura de Avatares, que nesse caso são as presenças de Amma & Bhagavan. E evocamos o Divino que está dentro de nós, através de PURUSHOTAMA.

Ao fim, demonstramos a nossa entrega e gratidão, com a palavra NAMAHA.

2. Passos para a Oração
Existe uma metodologia para acessar o Divino, ou a Consciência superior ou Eu Superior. São alguns passos simples, que foram criados a partir da observação das preces das pessoas e do tipo de resposta que essas preces recebem.

*         Ter clareza sobre o que você quer
O primeiro importante passo é ter Clareza sobre o que você quer exatamente. Você deve saber claramente o que quer, e que tipo de ajuda ou em que pontos você deseja receber alguma ajuda do Divino.

É muito comum as pessoas não terem clareza sobre onde desejam chegar. Ou que fazem seus pedidos de forma generalizada – quero amor, saúde, felicidade, prosperidade.  Observe o que essas coisas significam para você, e quais aspectos em sua vida, quais mudanças trariam essas coisas para você. E então faça o seu pedido para que esses aspectos e essas mudanças aconteçam. Procure chegar ao máximo de detalhes e clareza.

*         Cultivar a Integridade Interior
O segundo passo importante na prece é a Integridade Interior. Integridade Interior significa saber o que vai dentro de você, os motivos verdadeiros que levam você a pedir o que pede em sua prece. Se o seu pedido tem relação a algum sentimento de medo ou insegurança, esteja ciente disso e seja sincero a respeito disso.

Não há necessidade de criar belos motivos para o Divino. Seja qual for a razão que faz você querer o que você pede, o Divino vai atendê-lo, desde que você mesmo esteja consciente dessa razão. Quanto mais sincero você for consigo mesmo, mais rapidamente o Divino irá ouvi-lo e atendê-lo.

Pessoas não Integrais contam mentiras para si mesmo. E essas mentiras criam camadas entre você e o seu Divino, impedindo que a prece seja plena e verdadeira. E então a resposta do Divino também será dificultada, porque não houve sinceridade de motivos no pedido.

Tenha consciência das suas emoções e dos seus verdadeiros anseios, e a partir dessa consciência, faça a sua prece. Não é necessário ser transparente todo o tempo com o mundo exterior, mas essa transparência é essencial em você consigo mesmo e com o Divino. Experimente isso e observe as respostas às suas preces.

*          O Pedido
O terceiro passo é fazer o pedido e sentir como se já tivesse recebido o que você pediu.
Use visualização e suas emoções para esse passo. Sinta como se você já tivesse o que você pede. Experimente a emoção de ter ou ser o que você quer.  Não como algo a acontecer no futuro, mas algo que já está em suas mãos. Se você quer alguma coisa, experiencie isso como já sendo seu.

Apenas tome cuidado nas suas experiências e visualizações para que tudo seja exatamente como você quer. Se você quer um apartamento, visualize-se na sala relaxando. Não se visualize limpando o apartamento. Há casos de pessoas que pediram um apartamento, e se viram trabalhando no lugar, e depois se tornaram efetivamente empregados nos locais que visualizaram.

*         Gratidão
O último passo é ser verdadeiramente grato. Acessar a gratidão no coração e expressá-la com sinceridade.

Para acessar esse estado, procure buscar dentro de si, em sua vida, os acontecimentos que você sabe que foram trazidos pelas mãos do Divino. E seja grato por eles. Experiencie esse estado de alegria, segurança e certeza de que você foi ouvido e atendido nos seus desejos – dos menores aos mais secretos e profundos.

Todos nós temos milagres acontecendo todo o tempo em nossas vidas. Há pequenos milagres acontecendo diariamente para cada um de nós. Procure desenvolver a sensibilidade para perceber esses milagres, e habitue-se a expressar a sua gratidão sempre que perceber esses acontecimentos.

O Divino é como uma criança, quanto mais você elogia, mais ele vai querer fazer coisas boas para você, e você voltará a elogiá-lo. E ele seguirá querendo ajudá-lo para receber a sua alegria.

Nós recebemos tanto em nossas vidas. E há tão pouco que podemos fazer para agradecer ao Divino. Expressar a gratidão ativamente é uma dessas coisas. Cuide de desenvolver essa capacidade em você. E veja os milagres se multiplicando ao seu redor.

3. Relacionamento com o Divino

É importante termos uma experiência pessoal do Divino.

O Divino pode ser sentido como paz, amor, alegria. Ele pode também ser percebido como um estado de conformidade com qualquer coisa que esteja acontecendo. Também pode ser a experiência do vazio, de que nada existe. Ou uma experiência direta em uma manifestação humana.

 “Homem e Deus são duas extremidades da mesma realidade”. Eles não podem estar separados. Eles são como o corpo e as células.

Narayana é a relação entre as células individuais (naras) que são cada indivíduo. As células formam o corpo Divino, que é Narayana. É a Consciência Cósmica, ou Presença, que está tentando nos alcançar o tempo todo.

Quando uma célula está em dor, o corpo está em dor. E quando questionamos se Deus está nos ouvindo, é o mesmo que questionar se o corpo sente ou não o desconforto das células. Nossa dor é como dor no corpo de Deus. E da mesma maneira que o corpo tem seus mecanismos de se curar, o Divino também vem em sua cura.

Nós não cortamos o nariz fora quando estamos resfriados. Da mesma forma, o Divino não julga ou condena qualquer ser humano. O Divino simplesmente não pode condenar nada nem ninguém. Ele vem em nossa ajuda porque sente a nossa dor, e procura curá-la. A nós cabe apenas assumirmos o compromisso de ser uma das células que quer ser curada, e que coopera com a cura.

Somos todos filhos do pai/mãe Divinos. O Divino é amor incondicional. Ele não consegue ver separação entre o pobre e o rico, o ladrão e o sábio. E para que a cura aconteça, a colaboração das células é necessária. O Divino sozinho não pode curar cada um, temos que trabalhar juntos, estarmos abertos e cooperar.

a.      Como se aproximar do Divino

O modo mais fácil de aproximar-se do Divino é sendo verdadeiro consigo mesmo.

Bhagavan diz que podemos contar milhões de mentiras externamente, mas se contarmos uma mentira para nós mesmos, a porta se fecha e a luz não pode chegar. No mundo exterior, temos que seguir certas regras para sobreviver. Mas no mundo interno, temos que ser autênticos.

Uma prece verdadeira é aquela onde captamos nossas verdadeiras intenções, onde estamos cientes de nossos desejos e medos mundanos. Só é possível criar um relacionamento verdadeiro com o Divino, quando demonstramos e assumimos nossas fragilidades e incertezas. É essa autenticidade que faz o relacionamento com o Divino se tornar mais vivo, próximo e mais real.

b.     Prática para contato como Divino

Todos os dias, ao acordar.
Sentar-se quieto, fechar os olhos. Inspirar e expirar profundamente algumas vezes.
Conectar-se com o Divino ou com o coração, ou com o seu Ser supremo, com Amma & Bhagavan (ou qualquer que seja sua referência espiritual na vida).
Pedir para que a Presença Divina nos guie durante todo o dia e esteja conosco em cada momento, cada interação, cada gesto, palavra.

4. Entrega

O corpo não é meu.
A mente não é minha.
Os pensamentos não são meus.
(Sri AmmaBhagavan)

Os sentimentos gerados por esses pensamentos não são meus. Não controlamos o corpo, a mente, sentimentos. Não controlamos as outras pessoas nem os sentimentos e comportamentos. Tudo o que foi dito teve como intuito entendermos que não estamos no controle. E achar que estamos é a raiz de todo o sofrimento.

É a inteligência suprema que está sempre tentando nos guiar. Na realidade, ela já guia nossas vidas, mas por causa de nossos medos e limitações, nós resistimos.

Há duas categorias de pessoas em contato com o Divino: os que se agarram a Deus e sempre rezam e pedem, e os que compreendem que estão sendo levados interna e externamente por uma inteligência suprema.

Esses últimos sabem que tudo é controlado pela compaixão do Universo, e se entregaram. Não estão mais lutando contra nada, nem se agarrando a nada. Eles relaxaram. E o Divino pode tomar conta deles.


Quando relaxamos, a alquimia acontece. E então permitimos que nossas vidas sejam guiadas e cuidadas pelo Divino.

================

[English Version]

Connection with the Divine or Higher Self


1. Moolamantra
2. Steps for Prayer
3. Relationship with the Divine
4 Surrender

1. The Moolamantra
Oneness University has some versions of the Moolamantra. All forms are invoking the Divine / Higher Consciousness, through the expression of the Divine / Higher Consciousness qualities and aspects. You can sing a version with which you feel more comfortable.

The newer version (Om Sreem Sarveshwaraya) has a small variation of the intermediate version - small adjustments in the syllables, to invoke a greater power. The intermediate version (Om Sri Sarveshwaraya) is no longer valid and has been replaced by the most recent one. And the first version is the most well known and melodious of all.

Valid versions for Divine invokation are a first and a newer one. You can sing both, or one or the other, as you please. Both have the same power and call / invoke the Divine with the same intensity.

The three versions follow below.

Latest version:

49 Repetitions (17min): https://youtu.be/RuDrq_IhPJU

Om Sreem Sarveshwaraya Namaha
Om Sreem Param Jyotishe Namaha
Om Sreem Param Premaya
Om Sreem Param Karuniaya Namaha
Om Sreem Param Pavitraya

Salutations to the All That Is
Salutations to the Supreme Light
Salutations to the Supreme Love
Salutations to the Supreme Compassion
Salutations to the Supreme Purity

The last sentences can also be understood as:

Salutations to the Supremely Compassionate
Salutations to the Supremely Sacred

Intermediate Version:

How to sing: https://www.youtube.com/watch?v=auB0ATtpxxU

Om Sri Sarveshwaraya Namaha
Om Sri Param Jyotiye Namaha
Om Sri Jyothi Roopaya Namaha "

Greetings to all that there is
Greetings to the Supreme Light
Greetings to the Golden Orb

First version:

"Om Sat Chit Ananda Parabrahma
Purushotama Paramatma
Sri Bhagavati Sametha
Sri Bhagavate Namaha "

Explanation

When we chant the Moola Mantra, we evoke the power of the Divine Presence. Even without knowing its meaning, singing can already be powerful by itself. But when the know the meaning and we chant the Moola Mantra with the understanding in our heart, the energy flowing through the chanting is much more powerful.

Singing the Moola Mantra is like calling by a name. We are calling God, Divine Presence, Higher Self or whatever name you prefer to call it. We invoke the energy of the Divine through the Moola Mantra. And in response to our call, it manifests itself around us and in us.

The Divine can manifest anywhere, any time. Then the Moola Mantra can be sung or spoken, loudly or inwardly, in any place or situation, and the effect of it is always like a call that is answered to.

It is important to know when we invoke the Divine energy with surrender, humility, respect and great will, the Presence manifests even stronger. And it is possible to teach this mantra to people if we want to help them and they feel that it can become beneficial to them.

The meaning of Moola Mantra

The Moola Mantra is a call to the Divine. And as the Divine is everywhere, in all that is manifested, also in all that is un-manifested, as the Divine can be within us and outside of us and may also be incarnated in a human body (through the manifestation of an Avatar), the Moola Mantra calls the Divine in all these possibilities of manifestation. By chanting the mantra, we are calling the Divine in every possible aspect of its manifestation and non-manifestation.

OM is the universal principle, the primordial sound. It is the sound of the Universe. OM is a sacred syllable that represents BRAHMAN, which is the Absolute Impersonal, omnipotent, omnipresent and the source of the entire manifested existence. As it is, in itself, incomprehensible, a symbol is necessary to help us understand the unknowable. OM represents then both the not manifested and the manifested aspect of God, and that is why it is also called Pravana, meaning that it penetrates life and flows through our Prana or breath.

SAT-CHIT-ANANDA, are the three qualities of the Universe, or of God. SAT means Existence; CHIT means Consciousness; ANANDA means Bliss. God (or the Universe) is Existence, Consciousness and Bliss.

PARABRAHMA is what is beyond BRAHMA. BRAHMA is the Universal Being or Spirit. PARABRAHMA is the cause of all causes, the essence of everything in the cosmos, which contains and pervades the Universe. It is the absolute truth, subject and object, the supreme reality.

PURUSHOTAMA is the highest human. Purush is human. Utam is high. The Supreme Self can take on a human form, and manifest as an Avatar.

PARAMATMA is a manifestation of the Supreme Self that is situated in the center of each individual (or Atman). The Upanishads compare Atman and Paramatman to two birds perched like friends on the branch of a tree (the body). The Atman eats its fruits (Karma), and the Paramatman only watches the Atman as witness of his friend's actions.

SRI BHAGAVATI is the way Indians refer to female deities. SAMETA means in union. SRI BHAGAVATE is the way Indians refer to male deities

NAMAHA means that I prostrate and bow, I seek your guidance, I am in reverence, and I surrender myself in gratitude.

To recap, by singing the Moola Mantra we are literally calling the Divine to the fourth winds, and in all that is beyond the fourth winds, in all parts and non-parts of the Cosmos. We are traversing every corner of the Universe manifested and the un-manifest. We are evoking the Divine in us, and in its incarnations as Avatars.

In chanting the Moola Mantra, we evoke the Divine through OM or BRAHMA, which is the manifested aspect and also the un-manifest aspect of the Divine. We evoke the Divine through its 3 fundamental characteristics, which are SAT-CHIT-ANANDA - Existence, Consciousness and Bliss. We evoke the Divine that is beyond His manifested and un-manifested principles, which is PARABRAHMA - the cause of all causes, the essence of everything, that which contains and pervades the cosmos. We call the Divine that is incarnated in the figure of Avatars, which in this case are the presence of Amma & Bhagavan. And we invoke the Divine that is within us, through the PURUSHOTAMA.

In the end, we demonstrate our surrender and gratitude, with the word NAMAHA.

2. Steps for Prayer
There is a methodology for accessing the Divine, or the higher Consciousness or Higher Self. These are a few simple steps that were created from the observation of people's prayers and the kind of response these prayers receive.

* Be clear about what you want

The first important step is to be clear about is what you want exactly. You should know clearly what you want, and what kind of help or at what points you want to receive some help from the Divine.

It is very common people who are not clear about where they want to go, what they want to achieve. Or people who make their requests in a generalized way - I want love, health, happiness, prosperity. Notice what these things mean to you, and what aspects in your life, what changes would bring those things to you. And then make your request so that these aspects and these changes may happen. Try to get maximum detail and clarity.

* Cultivate Inner Integrity

The second important step in prayer is Inner Integrity. Inner Integrity means knowing what goes inside you, the true motives that lead you to ask what you ask for in your prayer. If your request concerns some feeling of fear or insecurity, be aware of it and be honest about it.

There is no need to create beautiful reasons for the Divine. Whatever the reason that makes you want what you ask, the Divine will answer you, as long as you are aware of that reason yourself. The sincerer you are to yourself, the faster the Divine will listen to you and answer you.

Non-Integral people tell lies to themselves. And these lies create layers between you and your Divine, preventing the prayer from being complete and true. And then the response of the Divine will also be hampered, because there was no sincerity of motives in the request.

Be aware of your emotions and your true yearnings, and from that awareness, make your prayer. It is not necessary to be transparent all the time with the outside world, but this transparency is essential in you with yourself and with the Divine. Try this and observe the answers to your prayers.

* The request

The third step is to make the request and feel as if you have already received what you asked for.

Use visualization and your emotions for this step. Feel as if you already have what you ask for. Experience the thrill of having or being what you want. Not as something to happen in the future, but something that is already in your hands. If you want something, experience it as already yours.

Just be careful in your experiences and visualizations, so that everything is exactly as you want it. If you want an apartment, visualize yourself in the living room relaxing. Do not visualize yourself cleaning the apartment. There are cases of people who asked for an apartment, and visualized themselves in an activity or working in the place, and then they became effectively employed in the places they visualized.

* Gratitude

The last step is to be truly grateful. Access gratitude in the heart and express it with sincerity.

To access this state, seek within yourself, in your life, the events that you know were brought into the hands of the Divine. And be thankful for them. Experience this state of joy, assurance and certainty that you have been heard and answered to in your desires - from the smallest to the most secret and deepest.

We all have miracles happening all the time in our lives. There are small miracles happening daily to each of us. Try to develop the sensitivity to perceive these miracles and be accustomed to expressing your gratitude whenever you perceive these events.

The Divine is like a child, the more you praise, the more he will want to do good things for you, and you will come back to praise him. And he will continue to want to help you to receive your joy.

We get so much into our lives. And there is so little we can do to thank the Divine. Expressing gratitude actively is one of those things. Take care to develop that ability in you. And see the miracles multiplying around you.

3. Relationship with the Divine
It is important to have a personal experience of the Divine.

The Divine can be felt as peace, love, joy. It can also be perceived as a state of conformity to anything that is happening. It can also be the experience of emptiness, that nothing exists. Or a direct experience in a human manifestation.

"Man and God are two ends of the same reality." They cannot be separated. They are like the body and the cells.

Narayana is the relationship between the individual cells (naras) that are each individual. The cells form the Divine body, who is Narayana. It is the Cosmic Consciousness, or Presence, that is trying to reach us all the time.

When a cell is in pain, the body is in pain. And when we question whether God is listening to us, it is the same as questioning whether or not the body feels the discomfort of cells. Our pain is like pain in God's body. And just as the body has its mechanisms of healing, the Divine also comes in its healing.

We do not cut our nose off when we have a cold. Likewise, the Divine does not judge or condemn any human being. The Divine simply cannot condemn anything or anyone. He comes to our aid because he feels our pain and seeks to heal it. It is only up to us to make a commitment to be one of the cells that wants to be cured, and that cooperates with healing.

We are all children of the Divine Father/Mother. The Divine is unconditional love. He cannot see separation between the poor and the rich, the thief and the wise. And for healing to happen, cell collaboration is needed. The Divine alone cannot heal each other, we must work together, be open and cooperate.

A. How to get close to the Divine

The easiest way to approach the Divine is to be true to oneself.

Bhagavan says we can count millions of lies externally, but if we tell a lie to ourselves, the door closes and the light cannot reach. In the outside world, we have to follow certain rules to survive. But in the inner world, we have to be authentic.

A true prayer is one where we grasp our true intentions, where we are aware of our worldly desires and fears. It is only possible to create a true relationship with the Divine when we demonstrate and assume our frailties and uncertainties. It is this authenticity that makes the relationship with the Divine become more alive, closer and more real.

B. Practice for contact with the Divine

Every day, when you wake up.

Sit still, close your eyes. Breathe in and out deeply a few times.

Connect with the Divine or with the heart, or with your Supreme Being, with Amma & Bhagavan (or whatever your spiritual reference in life).

Ask the Divine Presence to guide us throughout the day and be with you in every moment, every interaction, every gesture, word.

4. Surrender

The body is not mine.
The mind is not mine.
The thoughts are not mine.
(Sri AmmaBhagavan)

The feelings generated by these thoughts are not mine. We do not control the body, the mind, feelings. We do not control other people or feelings and behaviors. All that was said was meant to understand that we are not in control. And to think that we are is the root of all suffering.

It is the supreme intelligence that is always trying to guide us. In fact, it already guides our lives, but because of our fears and limitations, we resist.

There are two categories of people in contact with the Divine: those who cling to God and always pray and ask, and those who understand that they are being taken inwardly and outwardly by a supreme intelligence.

The latter know that everything is controlled by the compassion of the Universe, and they surrender. They are no longer struggling against anything, clinging to nothing. They relaxed. And the Divine can take care of them.

When we relax, an alchemy happens. And then we allow our lives to be guided and cared for by the Divine.

2 comentários:

Romeu Lobo disse...

GRATIDÃO, GRATIDÃO, GRATIDÃO, MUITO BOM!

Carmen Beatriz disse...

Oi Narayani

Poderia traduzir o significado das palavras do novo MOOLA MANTRA? Por favor

SHREEM

SARVESHWARAAYA

PARAM

JYOTIYE

PREMAAYA

KAARUNYAAYA

PAVITRAAYA

Gratidão minha querida!!!!
Beijos
Carmen Beatriz